• facebook
  • Flickr
  • twitter
  • orkut

AINDA NÃO HÁ DATA DEFINIDA PARA ENVIAR REFORMA DA PREVIDÊNCIA AO CONGRESSO, DIZ MEIRELLES

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que ainda não há uma data definida para enviar a proposta de reforma da Previdência ao Congresso, em meio à avaliação de parlamentares de que o encaminhamento do texto representaria um desgaste antes das eleições municipais em outubro.

Além disso, no escopo de mudanças que estão sendo discutidas pela equipe econômica nada mudará no quesito "tempo de contribuição" ou "idade mínima" para mulheres. Hoje, ao se aposentarem por idade, as mulheres devem ter a partir de 60 anos. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tem dito a interlocutores que elevar a idade mínima para aposentadoria das mulheres é como manter um "bode na sala". Ou seja, com custo político superior aos benefícios fiscais.

A FAPESP DIZ NÃO A REFORMA DA PREVIDÊNCIA! A previdência não é a causadora dos problemas do Brasil. Exigimos que trabalhem para o povo e não retirem mais direitos! Não se esqueçam de que quem os elegeu foi o povo! O GOVERNO MENTE A RESPEITO DO DEFICIT PREVIDENCIÁRIO. SOLUÇÃO É REDUÇÃO DE GASTOS DO PRÓPRIO GOVERNO CORTANDO REGALIAS, CARGOS COMISSIONADOS! O QUE FALTA É COMPETÊNCIA PARA ADMINISTRAR A NOSSA PREVIDÊNCIA SOCIAL!

Queremos a manutenção da nossa Previdência como um órgão de ação social, como distribuidor de renda que movimenta a economia de muitas cidades em todo Brasil.

A Seguridade Social é superavitária em mais de R$ 50 Bilhões (média), por meio da DRU (Desvinculação de Receita da União) retiram todo o dinheiro para pagamento de dívidas do governo. É O NOSSO DINHEIRO PAGANDO A INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO!

A Previdência tem arrecadação própria, por meio da contribuição do trabalhador, empresas, financiamento por lei através do PIS, COFINS e prognósticos de loteria e sem dependência do orçamento fiscal da União, ou seja, tem recursos próprios. Nossos recursos estão nas mãos do Tesouro Nacional que usa esse dinheiro como preferir.

NÃO ADMITIMOS REDUÇÃO DE DIREITOS! NÃO A REFORMA DA PREVIDÊNCIA!

Clique aqui para voltar.