• facebook
  • Flickr
  • twitter
  • orkut

NO CONSELHÃO, DILMA REAFIRMA QUE VAI PROPOR REFORMA NA PREVIDÊNCIA

Após um ano e meio, a presidente Dilma Rousseff comandou a primeira reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico, o "Conselhão", no Palácio do Planalto. O encontro faz parte da estratégia do governo federal para encontrar alternativas para superar a crise.

Criado em 2003 no governo do ex-presidente Lula , o conselho é presidido por Dilma. Neste ano, ele passa a ser composto por 92 integrantes – antes eram 90 – que representam empresários, movimentos sociais, sindicatos e a sociedade civil. A última reunião do grupo ocorreu em junho de 2014.

O retorno do Conselhão é sem dúvida muito importante ainda mais que a composição desse órgão está bem democrática. Todos os setores da sociedade foram convocados para fazer parte do Conselho, inclusive a nossa COBAP faz parte. Agora cabe ao governo permitir que o Conselho trabalhe e exerça seu papel.

Dilma tem uma grande oportunidade de ouvir toda a sociedade no Conselhão e começar a governar para o povo e não para o capital. Trabalhar para o povo é a solução dos problemas do Brasil.

A presidente Dilma destacou a Reforma da Previdência e considerou que é uma das prioridades do governo. No mesmo dia em entrevista ao programa da Miriam Leitão na Globo News, o ex-ministro Delfim Netto disse que ou o governo aprova as reformas da previdência, das leis trabalhistas, acaba com a indexação de despesas ao salário mínimo e também com a vinculação do orçamento a despesas obrigatórias, ou a economia brasileira não vai suportar.

O ex- ministro Delfim Neto fez o desserviço afirmando que a importância da reforma da previdência e destacou que o salário mínimo não deve ser o indexador de tudo. Como um senhor deste pode ser considerado importante falando tanta besteira. Mesmo sendo ministro durante anos o que ele não aprendeu nem um pouco é de economia. Só pensa e trabalha em prejudicar o povo, um absurdo!

A Reforma na Previdência é necessária mas cortando direitos não é a solução. Para construirmos uma Previdência mais justa, devemos pensar no futuro próximo termos de volta a Administração Quadripartite e a criação de um Fundo Previdenciário.

A Federação de São Paulo representando todas as Entidades de base do estado está aberta a construir um novo futuro para a Previdência. É necessário neste momento termos um Projeto de Lei para a criação de um Fundo Previdenciário, o que garantiria o pagamento dos benefícios atuais e o futuro saudável da nossa Previdência Social e dessa forma o governo não poderá usar argumentos alegando que a previdência é deficitária ou até mesmo inviável. O governo mente e muito sobre a Seguridade Social no Brasil.

Os recursos da Seguridade Social só são conhecidos quando entram nos cofres da Receita Federal do Brasil (Tesouro Nacional). Despois mistura-se com impostos e outros tributos e se transformam em recursos do Tesouro Nacional e usam como querem. Por isso, o fundo exclusivo para a Previdência é a solução para garantia do pagamento dos benefícios.

Somente em 2014 a Seguridade teve um superávit de R$ 54 Bilhões , segundo dados da ANFIP, Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil e somando os anos anteriores chegamos a casa do trilhão. Do montante arrecado o governo retira indiscriminadamente da Seguridade Social 20% (com pretensão de aumentar para 30%) a DRU e some com o resto do superávit da Previdência. Para onde vai tanto dinheiro? A Previdência tem dinheiro desde que não retirem para outros fins! Não admitimos em hipótese alguma que a NOSSA Previdência caia nas mãos dos grandes bancos. A Seguridade Social é do povo!

Por isso a criação desse Fundo se faz necessária. A criação de um Fundo não é uma ideia nova. Há precedentes como no caso do Estado de São Paulo. O Governo de São Paulo criou esse Fundo com autonomia administrativa, financeira, patrimonial e de gestão em 2007.

O Fundo seria criado por meio do superávit da Seguridade Social, com a venda de Patrimônios principalmente de imóveis inutilizados e abandonados, com a cobrança imediata das dívidas de décadas até centenárias de empresas com a Previdência Social, com o recolhimento por parte de empresas de filantropia, o fim da renúncia fiscal além da extinção da DRU (Desvinculação de Receita da União).

Devemos lutar para que a Previdência Social seja um órgão paralelo ao governo e não dentro do governo como já foi no passado e é defendido por juristas previdenciários. Devemos exigir a Administração Quadripartite e poderes deliberativos, pois somente assim iremos ter transparência nas contas previdenciárias e não teremos mais bilhões de reais desviados sem retorno algum.

Lutamos e muito para um ganho real e justo dos benefícios, por isso queremos que a Câmara dos Deputados coloquem na pauta de votação e aprovem o nosso PL 4434/08 que prevê o reajuste do salário dos aposentados na mesma proporção que foi contribuído. Só assim teremos ganhos reais que mantenham o mínimo do padrão de vida merecido aos aposentados e idosos.

Somente desta forma vamos começar a reconstruir a nossa Previdência. Os Aposentados e Idosos merecem ter dignidade e serem mais respeitados pelos governantes. Devemos pensar e trabalhar para os aposentados e idosos e só assim a crise moral, política e financeira chegará ao fim. A solução de todos os problemas do Brasil é trabalhar e pensar na população e não em cargos, politicagens e capital.

Estamos abertos ao diálogo para construção de um país mais justo aos aposentados e idosos. VAMOS A LUTA APOSENTADOS!

Clique aqui para voltar.