• facebook
  • Flickr
  • twitter
  • orkut

GREVE DOS PERITOS PODE DURAR ATÉ O ANO QUE VEM

A greve dos médicos peritos do INSS passou do 80º dia e não deve terminar neste ano. As negociações com o governo não avançam e a fila da perícia já tem 1,3 milhão de exames remarcados, segundo o sindicato. A principal divergência da categoria com o governo é sobre a redução da jornada de trabalho de 40 horas semanais para 30 horas, sem redução dos salários.

O Ministério do Planejamento informou ontem que o governo aceitou a redução, mas defendeu que isso seja feito a partir da criação de um "comitê de reestruturação da carreira", que levaria seis meses para chegar a uma conclusão.

Os mais prejudicados nesse embate entre peritos e governo são os trabalhadores, aposentados, pensionistas e idosos que precisam de atendimento nas agências do INSS. A cada dia de paralisação mais e mais pessoas se acumulam para atendimento, como uma bola de neve. O atendimento que já funciona com uma certa lentidão, sem o atendimento mínimo gera filas e mais filas e só agrava a situação.

Esse problema é resultado da falta de gestão e liderança do governo que não consegue sequer administrar os problemas de defasagem salarial e quadro de funcionários da própria previdência. Como querem cuidar do dinheiro do trabalhador se não conseguem nem administrar internamente essa Instituição tão importante para o trabalhador e aposentado? Se o governo não sabe lidar com seus problemas que convoque a população para apresentar soluções e não fique paralisando o país.

Por isso, é necessário que o governo adote novamente a administração quadripartite, de índole democrática e descentralizada, envolvendo os trabalhadores, os empregadores, os aposentados e o Poder Público. A Previdência Social não deve estar dentro do governo, mas ao lado dele. A paralisação é reflexo a falta de respeito e compromisso com o trabalhador, aposentado e pensionista que paga o preço da incompetência governamental tendo salários corrigidos abaixo da inflação e um atendimento demorado. Falta gerenciamento do governo que esquece, não cuida da Previdência.

Clique aqui para voltar.