• facebook
  • Flickr
  • twitter
  • orkut

GOVERNO OFICIALIZA DÉFICIT DE R$ 51,8 BILHÕES NAS CONTAS DE 2015

O governo oficializou que abandonou sua meta de fechar 2015 com superávit de R$ 5,8 bilhões e informou ao Congresso que sua nova previsão é encerrar o ano com um déficit primário de R$ 51,8 bilhões nas contas da União, o equivalente a 0,9% do PIB.

A equipe econômica responsabiliza a queda da atividade econômica pelo déficit primário, na verdade é a falta de controle nos gastos públicos! A nova projeção de queda do PIB é para 2,8%.

Este rombo pode aumentar caso o governo não consiga arrecadar R$ 11,1 bilhões com o leilão de 29 usinas hidrelétricas programado para o final do mês. Ou seja, sem estes recursos da licitação das usinas, o déficit do governo central pode chegar a R$ 62,9 bilhões.

A projeção de déficit não inclui ainda o pagamento das "pedaladas", dívidas que o governo tem com os bancos estatais. Porém o Déficit pode saltar para R$ 103,1 bilhões se leilão fracassar e governo pagar todo passivo das pedaladas.

Agora o governo quer passar a conta que não fecha para o bolso do brasileiro estão fazendo de tudo para aprovar a volta da CPMF. Os governadores e prefeitos não querendo perder a oportunidade de massacrar mais ainda o povo anunciaram um acordo com o Palácio do Planalto para que a nova CPMF tenha alíquota de 0,38% (0,20% para a União; 0,09% para estados; e 0,09% para municípios). O Governo ainda não decidiu se os recursos vão para a Previdência Social, como o governo defende, ou para a saúde, como querem os prefeitos.Um absurdo sem fim!

Aprovar esse tributo é acabar de massacrar o povo brasileiro que paga a amarga conta da incompetência desse governo. Enquanto não pensarem em seu povo a crise não acabará!

Não podemos permitir, devemos cobrar a não aprovação dessa crueldade. Cadê o corte REAL de cargos comissionados, apadrinhados e o corte de ministérios? Muito se fala e pouco se faz enquanto ostentam o nosso dinheiro. Não podemos admitir! Vamos nos unir aposentados! NÃO A CPMF!

Clique aqui para voltar.