• facebook
  • Flickr
  • twitter
  • orkut

MP investiga empréstimo do BNDES para construção de porto em Cuba

Um governo que não tem limites prova sua falta de compromisso com o povo brasileiro. Construir um porto fora do Brasil com dinheiro do povo é um absurdo! Enquanto o Brasil é arrasado pela inflação descontrolada, pela falta de educação, saúde e emprego nossos governantes constroem e gastam bilhões de dólares fora do Brasil. Além disso, a máquina pública ostenta dinheiro, contrata centenas de milhares de cargos comissionados e quem paga a conta é o povo com mais e mais impostos.

A revista Época divulgou documentos de 2 inquéritos do Ministério Público que apuram se houve irregularidade na concessão de empréstimo do BNDES para a construção de um porto, em Cuba, pela Odebrecht.

A Odebrecht foi escolhida pelo governo cubano para construir o porto. As investigações descrevem a atuação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante o processo de negociação dos empréstimos. O PORTO CUSTOU US$ 957 MILHÕES, DOS QUAIS US$ 682 MILHÕES FORAM FINANCIADOS PELO BNDES COM DINHEIRO PÚBLICO DO BRASIL, NOSSO DINHEIRO! Um dos documentos das investigações conduzidas pelo Ministério Público no Rio, publicados pela revista, mostra que o BNDES tratou como "excepcionalidades" as condições oferecidas a Cuba. O prazo de financiamento seria de 25 anos, e não de 12, que é o prazo regulamentar. E 25 anos também para o pagamento de taxas de juros mais baixas, em vez dos dez anos habituais. A garantia seria o dinheiro que Cuba tem direito a receber por exportações de tabaco. ABSURDO TUDO ISSO! NÃO PODEMOS PERMITIR!

A presidente Dilma foi a Cuba, no início de 2014, ela disse que o financiamento previsto de US$ 290 milhões para a segunda fase do Porto de Mariel era peça-chave para a promoção do desenvolvimento econômico cubano. Parece que ela sabe governar para os outros países!

Além disso, a Camargo Corrêa pagou R$ 3 milhões para o Instituto Lula e mais R$ 1,5 milhão para a LILS Palestras Eventos e Publicidade, de Lula, entre os anos de 2011 e 2013. É a primeira vez que os negócios do ex-presidente aparecem nas investigações da Operação Lava Jato, que apura um esquema de cartel e corrupção na Petrobrás com prejuízo de R$ 6 bilhões já reconhecidos pela estatal. QUEREMOS JUSTIÇA! PRECISAMOS DAR O NOSSO GRITO DE BASTA A ESSAS ATROCIDADES DESSE GOVERNO CRUEL!

Clique aqui para voltar.