• facebook
  • Flickr
  • twitter
  • orkut

A JUSTIÇA DEVE SER FEITA!!

O tempo fechou no Palácio do Planalto. A Presidente Dilma terá que dar explicações das extravagâncias que tem feito, principalmente no ano passado. Para ela e sua corja não há crise, mas a justiça deve punir ela e todos envolvidos por não cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal que no total, as dívidas escondidas pelo governo em 2014 com bancos e fornecedores chegaram a R$ 256 bilhões. UMA VERGONHA! Um governo zoneado que só pensa no enriquecimento ilícito e prejudicar o povo com mais imposto e redução de direitos!

Os ministros do TCU (Tribunal de Contas da União) decidiram dar um prazo de 30 dias para que a presidente Dilma se explique pessoalmente ou por ofício, sobre irregularidades apontadas pelo órgão na prestação de contas do governo de 2014. Será a primeira vez que o tribunal convoca um presidente a se explicar.

A posição do relator das contas de gestão, ministro Augusto Nardes, de pedir explicações à Dilma, foi seguida por unanimidade pelos oito ministros votantes. O receio da corte de reprovar as contas sem ouvir a presidente era o de que o Palácio do Planalto recorresse à Justiça alegando não ter tido o amplo direito de defesa e derrubasse uma possível decisão contrária ao governo.

Em seu voto, lido por pouco mais de uma hora, Nardes afirmou que irregularidades cometidas no ano passado em relação aos gastos públicos impedem a aprovação das contas de Dilma. "As contas não estão em condições de serem apreciadas em razão dos indícios de irregularidades. Não foram fielmente observados os princípios legais e as normas constitucionais", disse.

Técnicos do TCU apontaram várias irregularidades, incluindo as chamadas "pedaladas" fiscais, que permitiram ao governo segurar despesas com ajuda dos bancos públicos que pagam, por meio de transferências, benefícios como Bolsa Família e Minha Casa, Minha Vida. UMA VERGONHA NACIONAL! ONDE ESTÁ O NOSSO DINHEIRO! VAMOS DAR UM BASTA O BRASIL É DOS BRASILEIROS E NÃO DE UM PARTIDO!

Clique aqui para voltar.