• facebook
  • Flickr
  • twitter
  • orkut

Saiba como voltar a pagar o INSS para ter a aposentadoria

Pagar as contribuições ao INSS é um dos melhores investimentos atualmente, segundo especialistas em Previdência Social. Isso porque o segurado que tem os pagamentos em dia tem direito a diversos benefícios, como a aposentadoria e o auxílio-doença.

Quem parou de contribuir, seja porque perdeu o emprego ou porque era autônomo e não tinha dinheiro, deve voltar a fazer pagamentos para poder se aposentar pelo INSS. Ante, porém, é preciso conferir quantas contribuições faltam para a aposentadoria. Para isso, o segurado deve ir até uma agência do INSS e pedir para conferir o Cadastro Nacional de Informações Sociais – Cnis. Nele, constarão todas as contribuições registradas.

Na agência, o segurado também deve pedir uma senha para que possa acompanhar o Cnis no site da Previdência – www.inss.gov.br. Para esse atendimento, é preciso fazer um agendamento.

Segurados registrados no INSS há mais tempo e que têm contribuições antigas, de antes de julho de 1994, devem prestar atenção a uma regra: a conta que o INSS fará na hora de conceder a aposentadoria. Nesses casos, a dica é procurar um especialista para saber se o órgão usará o divisor mínimo ou o cálculo tradicional, com a média das 80% maiores contribuições.

Nos casos em que há muitas contribuições antigas, é bem provável que o segurado só consiga uma aposentadoria no valor do salário mínimo (R$ 724,00 hoje). A dica é pagar, sobre um salário mínimo, as contribuições que ainda faltam para pedir o benefício. Dessa forma, o segurado não terá prejuízos, alertam os especialistas em direito previdenciário.

O cálculo da dívida que o segurado tem com o INSS é feito com juros e correções monetárias. Para casa período em que deixou de pagar as contribuições, o órgão aplica diversos percentuais diferentes.

Em todos os casos, o melhor é sempre consultar um advogado especializado em causas previdenciárias. Portanto, procure o departamento jurídico de sua associação e esclareça suas dúvidas.

Fonte: INSS, Ministério da Previdência Social , Jornal Agora.

Clique aqui para voltar.