• facebook
  • Flickr
  • twitter
  • orkut

Verifique se vale a pena pedir a aposentadoria até novembro

O segurado que já tem as condições mínimas para pedir a aposentadoria por tempo de contribuição e quer fugir de um desconto maior do fator previdenciário, índice que reduz o benefício de quem se aposenta mais cedo, tem apenas alguns meses para planejar o pedido.

Em 1º de dezembro, o INSS divulga a nova tabela do fator, que poderá diminuir ainda mais o desconto no benefício. Quem já tem os 35 anos de contribuição, no caso do homem, ou 30, no de mulher, deve agendar o pedido até o dia 30 de novembro para tentar garantir um índice melhor, caso a tabela nova seja desfavorável.

Advogados previdenciários exemplificam se em novembro de 2014 a expectativa de sobrevida do homem é de 72 anos e, em dezembro, isso muda para 75 anos, nas contas do governo, quanto mais novo o trabalhador se aposentar, menor será o valor.

Por isso, antes de pedir o benefício, a dica é consultar o Cnis (Cadastro Nacional de Informação social) para saber se todas as contribuições foram pagas. Com o documento, será possível fazer uma simulação, no site da Previdência Social – www.inss.gov.br, de quanto poderá ser a aposentadoria.

Importante, o segurado necessita fazer uma avaliação entre o valor do benefício e o histórico das tabelas do fator previdenciário, o que dará uma noção de como será o cenário do futuro.

Se o segurado já fez aniversário em 2014, por exemplo, e já tem direito de se aposentar poderá ser interessante requerer o benefício antes das mudanças. Quem se aposenta até o final de novembro ainda é beneficiado pelo fator antigo.

Os segurados que sempre contribuíram sobre um salário mínimo (hoje R$ 724,00) não devem esperar para fazer o pedido, pois o valor do benefício não irá aumentar. Ao calcular o valor da aposentadoria, mesmo depois de aplicar o fator, se o benefício der menos do que um salário mínimo, a Previdência eleva o valor e paga o piso, já que a lei diz que ninguém pode ganhar menos do que o salário mínimo.

Em todos os casos, o melhor é sempre consultar um advogado especializado em causas previdenciárias. Portanto, procure o departamento jurídico de sua associação e esclareça as suas dúvidas.

Fonte- Previdência Social, advogados previdenciários do Ieprev, Jornal Agora.

Clique aqui para voltar.