• facebook
  • Flickr
  • twitter
  • orkut

UAPO - Mais Jovens Que Nunca

Viajar, dançar, conversar, fazer amigos, praticar exercícios, jogar papo fora...viver a vida e não ser engolido por ela. Na UAPO, idosos aposentam o sofá e mostram que velhice é “estado d’alma” e que as ruguinhas podem ser curtidas com muita juventude.

“Não importa se a estação do ano muda... Se o século vira, se o milênio é outro. Se a idade aumenta... Conserva a vontade de viver. Não se chega à parte alguma sem ela”. O trecho publicado na internet é creditado ao poeta português Fernando Pessoa e mostra que o importante é se aposentar e não ficar parado.

Foi isso que aconteceu com Anna Verônica Saponi, de 79 anos. Nascida em Ribeirão Preto e moradora de Osasco desde a década de 40, Aninha, como é conhecida na UAPO (União dos Aposentados e Pensionistas e Idosos de Osasco e região), se aposentou com cerca de 45 anos. “Eu ‘batia carimbo’. Fazia inspeção federal no Frigorífico Wilson e peguei a aposentadoria especial, por isso parei de trabalhar quando tinha 43 anos, ou 45”, disse com os olhos azuis fixo na parede como se tentasse procurar, em algum lugar da memória, a data correta.

Aninha conta que, quando se aposentou, viajou por um mês. Ela e uma amiga começaram o percurso por Camboriú, passaram por Florianópolis e terminaram no Rio Grande do Sul. Quando voltou, recebeu o convite para começar a freqüentar a UAPO. Ela é uma das associadas mais antigas. “Estou há 33 anos aqui”, disse esbanjando no rosto um sorriso cheio de orgulho. “Desde que comecei a participar minha vida mudou em tudo. Aqui é minha segunda casa. Mil vezes melhor ficar aqui do que em casa sem fazer nada. Só assistindo televisão e esperando o tempo passar”, compara.

Ela ainda conta que, certo dia, um amigo que trabalhava na Osram dizia que ela havia se aposentado tão nova que iria morrer logo. “Eu disse: ‘imagina’. Daí, ele se aposentou e não durou um ano. Ficava só dentro de casa. O segredo da boa aposentadoria é não ficar só dentro de casa e assistindo televisão”, disse. “Sem a UAPO eu já teria ido viajar. Aquela viagem sem volta”, completou com o ar sereno e feliz.

No último dia 9 de abril, a UAPO completou 40 anos. A União se destaca em Osasco e região como o lugar onde os aposentados, idosos e pensionistas procuram o merecido lazer de quem já trabalhou, no mínimo, 30 anos da vida. No Brasil, mulheres podem se aposentar por idade acima dos 60 anos ou após 30 anos de contribuição, já os homens se aposentam acima de 65 anos ou após 35 anos de contribuição.

Estimativas do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que 10,8% do País é formado pela população idosa, o que representa mais de 20,6 milhões de idosos no Brasil.


Octaviano Pereira dos Santos, presidente da UAPO, conta que o associado paga 1% de sua aposentadoria e recebe um ‘pacote’ de entretenimento recheado de benefícios que qualquer pessoa gostaria de ter em qualquer idade. Hoje, o cadastro de associados da União chega a quase 3 mil nomes que estão ativos e participam das diversas atividades que a associação oferece, dentre elas a viagem para a praia.

Pelo menos uma vez por mês, um grupo de associados sai de Osasco para encarar uma viagem de, aproximadamente, 140 quilômetros. O destino? Mongaguá. A casa da União na cidade do litoral sul paulista tem capacidade para acomodar, em média, 54 pessoas, e um total de 12 quartos. “Atravessou a rua, (a pessoa) já está dentro do mar”, disse Octaviano.

Embora a viagem litorânea seja esperada ansiosamente pelos participantes da UAPO, outras atrações completam as opções de lazer. O prédio da União conta com uma sala para jogos com mesa de sinuca, dominó, dama, baralho, dentre outros.

Os bailes também são desejados. Toda sexta-feira do mês, os homens vestem suas roupas mais bonitas. As mulheres também não deixam por menos e sempre encontram no guarda-roupa o figurino mais elegante. Batom, maquiagem e perfume também fazem parte do preparo que, diferente de quando jovens, o calçado, dessa vez, costumam ser confortável e sem salto, afinal, embora a disposição seja grande, o condicionamento físico não é mais o mesmo e as pernas não aguentam mais tanto tempo em cima de um salto. Toda primeira quarta-feira do mês o mesmo ‘ritual’ se repete, pois, na data também acontece o baile.

Além dos bailes e das viagens, a UAPO também oferece aulas de Yoga, prática com as mais tradicionais disciplinas físicas e mentais originárias da Índia. Indicada, muitas vezes, para aliviar as tensões do dia a dia, a Yoga está sempre com aulas cheias na União. Amélia Murasaki, 50 anos, diz que só teve benefícios depois que começou a praticar. “Melhorou o meu estado físico, porque tenho mais flexibilidade; o meu emocional também, porque eu fico mais calma; e a minha saúde só tem a agradecer. Hoje eu dificilmente fico resfriada e me sinto com mais fôlego”, relatou.

No total, a UAPO têm 20 alunos inscritos nas aulas de Yoga, que acontecem quatro vezes por semana, sendo duas pela manhã e duas no período da tarde.






Plugado no mundo

De acordo com um perfil realizado pelo Pnad 2012 (Pesquisa Nacional de Amostras de Domicílios) e divulgada, em setembro do ano, passado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a população idosa de hoje vive mais e faz parte de uma faixa de idosos que cada vez mais mostra interesse em aprender os ‘mistérios’ da tecnologia para o próprio conforto.

Para atender essa faixa dos aposentados que procura, além do lazer, se manter conectado com o mundo virtual, a UAPO disponibiliza a Oficina de Informática.

Segundo Irene Gatto, instrutora da Oficina, o primeiro passo para aproximar o idoso ao trato com o computador é mostrar para ele que a máquina ‘não morde’. “Muitos têm medo de ligar e desligar o computador. Acham que vão quebrar a máquina. Então esse é o primeiro passo: ensinar a ligar e desligar”.

O plano de aula da Oficina ainda inclui apresentação do teclado, formatação de texto e outras funções do Word, e como conectar a internet. “Mas quem procura a UAPO para aprender informática quer mesmo entrar na internet”, continuou Irene, completando ainda que para interagir com os alunos, cria e-mail para cada um e trocam mensagens.

Depois de ensinar como conectar a internet, os meninos e meninas, como dona Irene gosta de chamar carinhosamente seus alunos, acessam o Google e conhecem o mundo mágico das informações rápidas. “Tem meninas que não tem computador em casa e então vão lá (na UAPO) só para usar os e-mails”. E eles não ficam apenas nas ações básicas. “Tem gente lá que até comprou passagem de avião pela internet. Gente que quer ter contato com filho que mora na Suíça e não sabia como se comunicar com ele, um senhor de 80 anos, ajudei ele a enviar e-mail e, em 15 minutos, o filho respondeu, o olho do senhor até encheu de lágrimas”.

Reportagem – Graciela Zabotto – Revista Viver Osasco – Viver Edições e Produções Ltda . Junho/ Julho 2014.

Clique aqui para voltar.