• facebook
  • Flickr
  • twitter
  • orkut

FAPESP retorna a Brasília e cobra articulações para votação da PL 4434

A FAPESP retornou a Brasília para articular a votação da PL 4434/08 e aguarda o posicionamento dos Deputados para que seja colocada em discussão a solução do problema dos aposentados no Brasil, a defasagem dos benefícios.

O presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), recebeu no dia 13 de maio, o Presidente da FAPESP Antônio Alves da Silva, diretores da COBAP e presidentes de diversas Federações que colocaram em discussão o Projeto que corrige os benefícios dos aposentados de acordo com o aumento do salário mínimo e a aprovação do Projeto de Lei 4434/08, do senador Paulo Paim (PT-RS). O projeto é muito importante para o aposentado porque, se aprovada lei, recupera o número de salários mínimos a que tinha direito quando se aposentou.

Na reunião, a FAPESP se fez presente e pressionou o Presidente da Câmara sobre a importância da articulação do projeto para os aposentados. Na reunião estava presente o Deputado Federal Arnaldo Faria de Sá (PTB), o presidente da COBAP, Warley Martins, e os presidentes das Federações de Santa Catarina, Iburici Fernandes e Minas Gerais, o presidente Robson Bittencourt, além dos dirigentes Moacir Meirelles, Nelson Osório, Silberto Silva, Josias Mello, entre outros.

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, ouviu as lideranças e percebeu a pressão popular que existe para aprovação do projeto e se comprometeu tratar o assunto com ministro da Previdência, Garibaldi Alves e em 5 dias retornaria com um posicionamento sobre a votação da PL 4434 e PL 7185, projeto que garante a continuidade da política de valorização do salário mínimo, com reajustes anuais acima da inflação e com base no PIB para todos os aposentados, inclusive para quem ganha mais de um salário mínimo.

No segundo dia em Brasília, mesmo com o presidente da Câmara mostrando favorável ao projeto a FAPESP realizou várias reuniões para pressionar a votação da PL 4434. Os aposentados se encontraram primeiramente com o pré-candidato a presidência da República, Eduardo Campos. O pré-candidato recebeu de maneira cordial, porém, fora do gabinete e sem dar muita esperança ao aposentado em seu plano de governo.


Na sequencia os dirigentes foram recebidos pelo pré-candidato a presidência da República pelo PSDB, Aécio Neves. O pré-candidato se comprometeu colocar no plano de governo ações e projetos a favor do aposentado e se mostrou a favor da aprovação da 4434 e irá articular aprovação do projeto que repõem as perdas tidas nos salários dos aposentados devidamente contribuídos.

Outro projeto barrado era o recolhimento do valor de 2 reais por ano de cada trabalhador para repasse as entidades que lutam a favor do aposentado. O pré-candidato percebeu a importância da aprovação do projeto e prometeu liberar para votação, já que estava barrado pelo próprio PSDB.

Apesar de várias reuniões durante o dia, o mesmo não aconteceu com a liderança do PT na Câmara dos Deputados. Havia sido agendada uma reunião com o deputado Vicentinho para tratar a votação da PL 4434 e o Deputado não compareceu ao encontro.

O chefe de gabinete de Vicentinho recebeu o presidente da FAPESP, Antonio Alves da Silva e da COBAP, Warley Martins e alegou que o Deputado tinha um compromisso inadiável, mesmo com a reunião agendada anteriormente. Falta de respeito e compromisso com os aposentados. É isso que no governo federal tem feito, distratando o idoso, aposentado e pensionista.

O Deputado foi visto logo depois andando pelos corredores do Congresso Nacional para ajudar os companheiros governistas na CPI da Petrobras. O governo está buscando tapear a população e esconder toda a roubalheira e quebra financeira da Petrobras e dos gastos excessivos para Copa do Mundo e esquecem do principal, governar o país. O não comparecimento do deputado é reflexo da falta de comprometimento com a classe dos aposentados.

Os aposentados exigem respeito e votação já da 4434, do projeto do senador Paim, que nos restituem direitos devidamente contribuídos. A FAPESP não vai parar de cobrar as autoridades até que seja colocada em discussão e aprovada a PL 4434.

Clique aqui para voltar.