• facebook
  • Flickr
  • twitter
  • orkut

DIA MUNDIAL DE CONSCIENTIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA



O dia 15 de junho é o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, uma data criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2006. O alerta este ano em especial vai para violações dos direitos dos idosos durante a pandemia do novo coronavírus.

Os maus tratos contra idosos são uma grave violação aos direitos humanos, e no Brasil também trata-se de conduta criminosa. Segundo o Estatuto do Idoso, Lei 10.741/2003, colocar em risco a vida ou a saúde do idoso, através de condições degradantes ou privação de alimentos ou cuidados indispensáveis, é crime.

Por isso, este mês é conhecido como Junho Violeta, e é dedicado à valorização das pessoas idosas, combate à descriminação e a violência contra os mais velhos.

De acordo com o último balanço realizado, os dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos apontam que das denúncias recebidas no canal Disque 100, serviço oferecido pelo Ministério da Mulher, das Famílias e Direitos Humanos; em 2019 foram recebidas 21.749 denúncias de violações contra a pessoa idosa em todo o país. Os números representam um aumento de 29,68% em relação ao ano anterior (2018).

Entre as principais violações estavam negligência (79,26%), violência psicológica (48,40%), abuso financeiro e econômico (39,57%), violência física (23,91%), violência institucional (3,86%), violência sexual (0,45%) e discriminação (0,32%).

Ainda de acordo com os dados, no primeiro semestre de 2019, as vítimas do sexo feminino foram maioria (63,07%), contra 32,12% do sexo masculino. No balanço geral, os idosos de 76 a 80 anos foram a maioria das vítimas de denúncias (18,17%), seguidos dos que têm de 66 a 75 (31,42%).

A negligência, ou a recusa a cuidar do idoso, é a forma de violência mais praticada contra pais e avós. E ela pode ser classificada como ativa – quando os cuidadores intencionalmente deixam de lado a alimentação, a higiene e a saúde do idoso – ou como passiva, quando filhos e netos falham em prover esse cuidado sem a intenção, muitas vezes por desconhecimento de como lidar com os mais velhos. Na sequência, vem a violência psicológica– como discutir com pais e avós porque estão ficando “lentos” e “esquecidos” – e o abuso financeiro.

Entre todos esses tipos, o que mais vem preocupando especialistas do mundo todo é o aumento do abuso financeiro, como furtos e a coação a dar dinheiro ou a pegar empréstimos em seu nome para filhos e netos. É preciso reforçar que quando o idoso empresta ou se endivida está deixando de comprar coisas para si, como comida e remédios.

O perfil das denúncias também mostra uma parcela expressiva de brasileiros na faixa dos 61 aos 70 anos que sofrem abusos. Aqui, a redução da idade tem a ver com o fato de filhos e pais dividirem a mesma casa ainda na vida adulta, por causa de divórcios ou para que os pais ajudem a criar os netos.

Por isso é importante campanhas e conscientizar a todos sobre os direitos dos idosos e, principalmente, pelo empoderamento e pela educação financeira. Os idosos devem ser respeitados e bem tratados! Em caso de denúncia DISQUE 100! #JunhoVioleta RESPEITO É TUDO!

Clique aqui para voltar.